Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica e Cursos de Formação do Estado de São Paulo
Siga-nos:

Congresso de Segurança na Indústria aborda crise, economia e

O Sesvesp esteve presente ativamente no Congresso de Segurança na Indústria – Fiesp na sua conhecida sede da avenida Paulista em São Paulo (SP). Representado pelo presidente João Eliezer Palhuca, como executivo atuante na área de Segurança Privada e pelo consultor econômico Eurípedes Abud, como mediador do Painel: “Aspectos Tributários da Segurança Empresarial”. O evento também teve a participação da FENAVIST, ABREVIS, ABSEG e ABCFAV - que enxergam na Segurança um atributo importante de análise e consideração.
 
Após uma breve reflexão do tema a abertura ficou por conta de Ricardo Lerner - vice-presidente da Fiesp e diretor do Departamento de Segurança (Deseg). Em seguida ocorreu a palestra magna “Cenário Político e Econômico do Brasil”, com Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos da Fiesp (Depecon) e que moderada pelo jornalista do grupo Bandeirantes e revista IstoÉ Ricardo Boechat. O ponto chave discutido foi a crise econômica e suas consequências no futuro da política no país. As demais atividades foram compostas pelos painéis “Aspectos Tributários da Segurança Empresarial”, que abordou a Justiça no trabalho de segurança e “Governança e Compliance em Gestão de Riscos”, que se concentrou na falta de entendimento e esclarecimento sobre o que é o sistema Compliance, e o que pode ser evitado quando aplicado corretamente dentro das empresas.
 
Em sua participação o presidente João Palhuca, informou a Igor Pipolo - diretor do Departamento de Segurança (Deseg), em tom de indagação, sobre os dados da clandestinidade que atingem o setor de Segurança Privada, que ainda são números muito significativos no mercado e prejudicam o desenvolvimento das empresas registradas por todo o país.  “Primeiramente, eu quero dizer que esse Congresso é muito importante para nós, mas a clandestinidade é um fator que denigre a nossa conduta e que, nós empresários da Segurança Privada, precisamos da ajuda de todos os setores para combater esse mal”, salientou de forma firme.
 
Palhuca, também reclamou sobre a falta de uma participação mais ativa do Sesvesp dentro das negociações dos painéis impostos pelo Fiesp. “Eu gostaria de colocar à disposição da Fiesp, o Sesvesp e a Fenavist, para que nós possamos também, participar de um painel apresentando os problemas das empresas de Segurança Privada, da mesma maneira que os tomadores de serviço apresentaram. Para proporcionar um debate e uma contraposição de fatores. É muito importante saudar e promover esse tipo de debate, por isso eu parabenizo a organização da Fiesp nesse contexto e o Sesvesp está pronto para que isso venha acontecer em breve”. Igor entendeu de forma positiva a colocação do presidente. “Acho que essa sua fala é muito importante e oportuna. Isso é só  mais um passo e nós podemos fazer isso juntos com a Fenavist e o Sesvesp” completou Pipolo.
 
Segundo os organizadores do evento, o objetivo do Congresso foi o de reunir todas as informações discutidas para formação de um documento que será transformado em uma cartilha da segurança como parte integrante no livro “Segurança na Indústria”, como forma de ampliar o conhecimento e promover soluções que contribuam com o trabalho de todos os profissionais. 

Notícias Relacionadas